Cirurgia no recém-nascido

Não existe nenhum tratamento específico para a Spina Bífida.

De acordo com as informações da Rede Sarah de Hospitais de Reabilitação logo após o nascimento a criança deve ser mantida com o abdómen para baixo e a lesão deve ser coberta com compressas não adesivas, suavemente colocadas, embebidas em soro fisiológico, para evitar o ressecamento.

Quando se trata de um caso de mielomeningocelo deve efetuar-se tratamento cirúrgico, de preferência, nas primeiras 24 horas, para diminuir o risco de infeção e preservar a função nervosa.

Atualmente, com o advento da cirurgia fetal, a reparação de lesões de mielomeningocelo vai para além da mandatária intervenção pós-natal precoce. A cirurgia fetal adquiriu maior expressão após a publicação em 2011, do ‘MOMS Trial’, o primeiro ensaio randomizado nesta área, o qual evidenciou vantagens da cirurgia fetal aberta vs. cirurgia pós-natal, designadamente no que respeita à redução da mortalidade e necessidade de shunt ventrículo-peritoneal, e aos melhores resultados de desenvolvimento mental e motor. Contudo, no grupo submetido a intervenção in útero, registaram-se maiores complicações maternas/neonatais, destacando-se: parto pré-termo, descolamento prematuro de placenta normalmente inserida, deiscência de histerotomia e necessidade de transfusão materna.

Ultimamente, a cirurgia fetal por fetoscopia tem apresentado resultados promissores, com o desenvolvimento de técnicas progressivamente menos invasivas e o recurso a tecidos biológicos, mostrando-se capaz de poder otimizar os resultados da cirurgia fetal aberta, sobretudo no que respeita à morbilidade materna descrita.

Logo após o nascimento, ou nas primeiras 48 horas de vida (no caso de mielomeningocelo) o Recém-Nascido necessita de correcção cirúrgica da lesão. O objectivo não é restabelecer a função neurológica, pois é uma situação irreversível, mas sim proteger a medula de outros danos como a infecção.

Deste modo a intervenção na Spina Bífida consiste em tratar pontualmente as alterações detectadas, favorecer o desenvolvimento global da criança.

Permitir que a criança desenvolva ao máximo as suas capacidades e potencialidades em detrimento do investimento nas incapacidades.

Outras notícias

Novo parceiro a Norte: Centro Medular

A ASBIHP assinou um protocolo de parceria com o @centromedular com condições incríveis. Todos os sócios activos da ASBIHP poderão usufruir de uma vasta gama de benefícios e desconto nos serviços selecionados, mediante apresentação do cartão de associado presente na...

Núcleo da Figueira da Foz trabalha na conservação do seu espaço

Os espaços físicos da sede e das delegações precisam de requalificação mas, enquanto tal não é possível, a ASBIHP vai fazendo pequenas reparações e pequenas obras de melhoria, à medida das suas possibilidades. Para além do custo dos materiais e equipamentos que...

Somos uma aldeia

Quando uma crianca de 4 anos com Spina Bifida não tem uma cadeira de rodas por motivos burocráticos, o que faz a comunidade ASBIHP? A Milene, mãe do Raphael, sinaliza a situação. A mãe do Rúben, em São Joao da Madeira, tira da arrecadação uma cadeira em desuso. A...